Campanha de combate a violência contra a mulher é direcionada para o público masculino.

0
465

Iniciada no carnaval e com o apoio da Polícia Civil de Minas Gerais, a campanha #NAOSEJAESSECARA procura abordar a violência contra a mulher de forma diferente, direcionando sua comunicação ao público masculino.

Índices da violência contra a mulher

Os números são assustadores. No Brasil, uma mulher é vítima de agressão a cada 4 minutos. A cada uma hora e meia, uma mulher é vítima de feminicídio. Você com certeza conhece algum homem que já agrediu uma mulher, mesmo que você não saiba.

Segundo uma pesquisa realizada pela Data Folha, uma em cada três brasileiras acima de 16 anos já foi espancada, xingada, ameaçada, agarrada, perseguida, esfaqueada, empurrada ou chutada nos últimos 12 meses.

O assédio é o principal tipo de violência contra a mulher: 40% das brasileiras acima de 16 anos já sofreu algum tipo de assédio. Além disso, os relatos de estupro cresceram em 133%, de acordo com dados do Ligue 180 – Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. É uma média de 13 registros de estupro por dia.

violência contra a mulher

E temos mais números: em 61% dos casos de violência contra a mulher o agressor é conhecido, sendo que em 19% das vezes é o atual companheiro. 43% das agressões ocorrem dentro da casa das vítimas.

No Brasil, 5,2 milhões de mulheres já foram assediadas em transporte público, 20,4 milhões de mulheres já ouviram algum comentário desrespeitoso na rua e 2,2 milhões já foram agarradas ou beijadas sem consentimento.

E os números vão crescendo…

#NAOSEJAESSECARA

Muitas campanhas de conscientização são criadas com a intenção de diminuir esses números que apresentamos. A maioria delas é direcionada às mulheres, incentivando que elas levantem e lutem.

A campanha #NAOSEJAESSECARA, idealizada pelo publicitário mineiro Fred Izak, propõe abordar o tema da violência contra a mulher de forma diferente. Nela, a responsabilidade de agir não está nas mãos das mulheres, que são as vítimas, mas sim nas mãos de seus potenciais agressores.

A proposta é convidar os homens a refletir sobre como eles tratam as mulheres. “Durante anos, falamos às mulheres que cabia a elas evitar agressões sexuais. Queremos mudar isso e falar diretamente para os homens. Em vez de colocar a responsabilidade pela prevenção de agressões sexuais nas mãos das vítimas, a comunicação apela para potenciais infratores – falando diretamente com eles, na sua língua. A mensagem é clara: não seja esse cara”, explica Izak.

violência contra a mulher

A campanha #NAOSEJAESSECARA tem o apoio da Polícia Civil de Minas Gerais e também do deputado Fred Costa. O deputado é autor do projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa que quer trazer para Belo Horizonte um aplicativo que funciona como um alarme para ser usado em casos de emergência. Inicialmente, o aplicativo seria disponibilizado para mulheres sob vigilância de medidas protetivas, e em segundo momento, para toda a população feminina.

Como não ser esse cara

Seguindo a proposta da campanha, queremos sugerir um exercício para que todos os machos do blog repensem um pouco sobre suas atitudes. Afinal, a maior virtude do ser humano é ser capaz de reconhecer seus erros e ter disposição para mudar.

Abaixo, vamos listar algumas situações que encontramos no Instagram com a hashtag #NAOSEJAESSECARA e convidamos você a refletir se em algum momento você já foi esse cara, e qual a atitude de respeito a ser adotada. Vamos lá.

#NAOSEJAESSECARA que acha que lugar de mulher é na cozinha

A verdade é que lugar de mulher é onde ela quiser. Se a mulher não quer cozinhar, aproveite você para explorar novas habilidades. Que tal conferir alguns canais de culinária no YouTube e preparar um jantar romântico para vocês dois?

#NAOSEJAESSACARA que é machista

O machismo está fora de moda há muito tempo. Não existe mais esse negócio de “isso é coisa de mulher” ou “isso é coisa de homem”. Mulheres e homens são livres para fazer o que gostam.

#NAOSEJAESSECARA que acredita que estar bêbado é desculpa

Todo mundo bebe um pouco a mais de vez em quando, mas isso não é desculpa pra faltar com respeito. Se você é desses que fica agressivo quando bebe, é hora de repensar seus conceitos.

#NAOSEJAESSACARA que não aceita o não

Não tem dessas de “ela tá fazendo charme”. Não é não. Se você chegou na gata e tomou um “não”, leve na boa e parta para outra. Nenhuma mulher é obrigada a ficar com você.

violência contra a mulher

#NAOSEJAESSACARA que chantageia

Cara, você não precisa disso. Chantagear uma mulher para conseguir qualquer coisa só vai mostrar a sua falta de caráter.

#NAOSEJAESSACARA que oferece carona com segundas intenções

Ser legal e atencioso é essencial na hora de conquistar uma mulher. Não tem nada de errado você oferecer uma carona para uma colega, mas não ache que ela tem a obrigação de te dar algo em troca. Seja legal porque você é legal e assim será muito mais fácil dela gostar de você.

#NAOSEJAESSECARA que acha que ela “tá pedindo”

A roupa de uma mulher não é convite para nada. Se a gata usa roupa curta, justa ou decotada é porque ela tem orgulho do próprio corpo, e isso não te dá o direito de achar que pode meter a mão. Nenhuma mulher pede para ser estuprada ou assediada.

#NAOSEJAESSECARA que trata as mulheres como propriedade

O fato de uma mulher ser sua namorada ou sua esposa não te dá o direito de propriedade. Ela não é um objeto para ser possuída. Entenda que a mulher é um ser humano como você e deve ter os mesmos direitos. Respeito é bom e todo mundo gosta.

A violência contra mulher é um assunto sério e está na mão de todos nós mudar isso. Se você faltou ao respeito com uma mulher, peça desculpas e repense sobre seus atos.

Se você vir um amigo ou um conhecido agredindo, xingando e desrespeitando uma mulher, não tenha medo de se impor. Cabe a todos colocar um basta nessa situação. Compartilhe esse artigo para ajudar a conscientizar mais homens da importância dessa luta.

Um abraço. Até breve!

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
  Subscribe  
Notify of