Recentemente, criamos um artigo com dicas incríveis para lidar com a parceira ciumenta. Mas, o que fazer quando é você que não sabe como lidar com ciúmes?

Nós, homens, costumamos ter mais resistência para expor sentimentos. Funciona da mesma forma com os ciúmes: sentimos sim, porém, às vezes não deixamos explícito. E quando deixamos, tende a ser feito de forma violenta ou agressiva. E isso pode causar grandes problemas para você, para sua parceira e para o relacionamento.

O ciúme é uma emoção inerente ao ser humano. Não tem como negar. É algo muito comum, já que todos nós, de alguma forma, já o vivenciamos pelo menos uma vez na vida.

Conhecemos essa emoção desde cedo. Para aqueles que têm irmãos, então… desde muito cedo. Aprendemos a dividir a atenção dos nossos pais e dividir os brinquedos, o quarto, o carinho da família.

Portanto, se algo deu errado nessa fase, é muito provável que o egoísmo e o ciúmes se manifestem com mais intensidade na vida adulta.

Hoje, nós preparamos um post com referências em psicologia masculina para te ajudar a entender, primeiramente, o que é o ciúme e porque nós o sentimos, para em seguida, aprender a identificar os sintomas que o leva a se tornar doentio e como lidar com ciúmes: se você sofre com esse problema, a nossa missão aqui é te ajudar a superar!

Afinal, o que é ciúme?

Por definição, o ciúme é um sentimento natural do ser humano, produzido pela falta de exclusividade do sentimento, da dedicação e do cuidado da pessoa de quem se gosta.

É uma dedicação ao amor. O ciúme é uma manifestação provocada pela falta de confiança no sentimento do outro, que é transformada em medo de perder a parceira.

Embora os ciúmes sejam quase exclusivamente um sentimento íntimo, apenas partilhado entre o casal, a sua presença no dia-a-dia é altamente mediática, sendo o tema central de milhares de filmes, livros, músicas e outras manifestações artísticas.

Logo, a exposição excessiva dessa emoção em todos os lugares, incluindo roda de conversa de amigos e situações cotidianas, faz com que a gente sinta como se fosse natural nutrir o sentimento de posse em relação a outra pessoa. Porém, não é!!!

A própria palavra “jealous” em inglês tem uma origem curiosa: vem da palavra “jalousie” que é uma derivação da palavra francesa para ciumento – “jaloux”. Esta, por sua vez, está relacionada com a palavra “zelosus” que em latim significa “cheio de zelo”.

Se recuarmos mais um pouco, encontramos o termo grego “zelos” que está associado ao conceito de “ferver” ou “fermentar”. Bom, no mínimo curioso, né?

Por que sentimos ciúmes?

Pelos mais diversos motivos. Inicialmente, as situações que desencadeiam ciúmes são: insegurança, baixa autoestima, imaturidade emocional.. ou seja, aspectos emocionais relacionados à vida afetiva.

Somado a tudo isso, o ciúme ainda pode se instalar pelo medo do abandono, da solidão, da sensação de perda emocional e de controle.

O ciúme é uma reação, uma resposta emocional a uma questão que rege todos os vários aspectos da vida: buscar proteger aquilo que amamos e queremos para nós.

Os humanos apreciam, amam e querem proteger seus pertences, seu trabalho, seus amigos, seus parentes, seus parceiros. E a ideia de perder esse vínculo, ou somente a ameaça da perda, já é capaz de nos torturar e causar verdadeiras avalanches de ciúmes, acompanhadas de pensamentos destrutivos e pouco lógicos.

Se há algum aspecto da vida em que os ciúmes são mais dominantes, é na esfera amorosa. Aliás, um dos temas mais recorrentes quando falamos de ciúmes é, sem dúvida, a existência (real ou não) de uma terceira pessoa que ameace o relacionamento de um casal.

Embora os ciúmes sejam uma parte integrante e normal da natureza humana e das relações pessoais e profissionais, existem vários tipos de ciúmes. A começar pelos ciúmes inocentes e inofensivos; terminando nos ciúmes obsessivos e até perigosos.

Enquanto algumas pessoas conseguem lidar bem com o ciúme e todas as outras emoções que ele provoca, dificilmente tornando público aquilo que sentem, outras não conseguem conter esses ciúmes e precisam expressá-los para a companheira ou em tom de vitimização e proteção, ou em tom acusatório e possessivo.

Como lidar com ciúmes?

No imaginário da pessoa acometida pelo ciúme, ela acredita que perdeu a importância e a significância para a pessoa amada. E todos os outros com quem passa a rivalizar assumem posições mais favorecidas: são mais olhados e mais desejados. Como conseguir controlar esse sentimento?

Não há relação amorosa no mundo que não tenha sido ou que não será, num momento ou noutro, abalada pelos ciúmes de um dos elementos do casal.

Porém, controlar os ataques de ciúmes é mais fácil do que imagina e vale a pena o esforço, pelo bem da sua sanidade mental e pelo amor entre o casal.

Lindando com o ciúmes: passo a passo

  • Não exagere…

Os mais ciumentos, na grande maioria, têm a tendência de passar para a ação – discussões, acusações, vitimizações, agressões verbais e até físicas.

Essas atitudes devem ser eliminadas da sua vida. Deve-se pensar sempre duas vezes antes de reagir a qualquer provocação. No caso dos ciúmes, pense três. Será que vale realmente a pena?

  • Dê atenção à relação…

Quem está obcecado em seguir cada passo e palavra da sua parceira, dificilmente terá tempo ou paciência para se dedicar à relação em si. Mas afinal, o objetivo de estarmos com outra pessoa não é para viver e sentir uma proximidade saudável e apaixonante? Para nos conhecermos cada vez melhor, para nos apoiarmos e fazermos planos para o futuro? Para nos divertirmos?

Não perca o precioso tempo de vocês com ciúmes. Dedique-se tanto ao fortalecimento da relação como se dedica aos ciúmes infundamentados, e vai notar uma diferença considerável.  

  • Aprenda com o passado…

Cometemos e reconhecemos os erros do passado para não voltar a cometê-los, nem no presente, nem no futuro. Por isso, se o fato de ser ciumento já vem de muito tempo, está na hora de pará-lo de vez. Se os ciúmes já prejudicaram uma relação anterior, você sabe que corre o risco disso voltar a acontecer, não sabe?

  • Evite fantasiar histórias…

Quem é ciumento tem a tendência de deturpar a realidade. Ou seja, um pequeno gesto ou palavra é o suficiente para despertar o ciúme louco que, por sua vez, desencadeia um verdadeiro filme na sua cabeça, em que você desenvolve toda uma história irreal baseada em um fato mínimo.

É importante não deixar que a sua imaginação fomente os ciúmes de uma coisa que pode nem ser real. As pessoas mais ciumentas precisam aprender a distinguir a realidade da ficção, pois nem tudo o que parece é, de fato.

  • Segunda opinião…

Nem todas as pessoas sabem como lidar com ciúmes. Se é o seu caso, em vez de fazer cenas lamentáveis – as quais se vai arrepender mais tarde – procure um amigo para desabafar sobre suas inseguranças e preocupações.

É sempre válido ter a opinião de uma pessoa neutra. Se a preocupação for grande e estiver tirando o seu sono, convide esse amigo para sair com vocês e peça-lhe para observar o comportamento da sua parceira e dar uma segunda opinião: há ou não motivos para ciúmes? Porém, se a resposta for positiva, não surte.

  • Respeite a si mesmo…

Quem sofre insistentemente com ciúmes, tende a se sentir com a autoestima lá embaixo e praticamente zero autoconfiança. Isso acontece porque, ao se sentir ameaçado, a primeira reação é culpar a si mesmo e desencadear uma série de ataques pessoais.

Começa a desmerecer sua aparência, pensar que está muito gordo, muito magro, que é pouco interessante ou pouco inteligente. Esse tipo de negatividade só faz a cama para que o ciúme possa deitar.

Por isso, é importante e necessário se respeitar e se fazer respeitar. Respeite sua individualidade, respeite suas características, respeite e valorize o que você tem de bom.

Alguém extremamente seguro de si não se sentirá ameaçado pelo que quer que seja. Faça o que tiver que fazer para se sentir bem consigo mesmo, assim, conseguirá entender melhor como lidar com ciúmes.

  • Comunicação é fundamental…

A confiança e a comunicação representam os pilares de qualquer relação. Nós sempre reforçamos isso aqui no Macho de Verdade.

Quando o primeiro pilar é posto em prova, é preciso recorrer ao segundo, rapidamente. Evite as cenas de ciúmes, as agressões verbais, o comportamento violento e as agressões.

Em vez disso, respire fundo, várias vezes, conte até 100 mentalmente. Analise a situação por outro lado. Se coloque não só no lugar da sua parceira, mas também no lugar do amigo, de quem estava vendo, da amiga, da mãe. Analise a situação fria e racionalmente. E, só depois, converse com sua companheira.

Conversar e não confrontar ou gritar. Tá aí a diferença. Fale abertamente sobre aquilo que te incomodou, como se sentiu, como vocês poderiam evitar que isso aconteça novamente. Pode não solucionar de imediato, mas é a atitude mais sensata a se tomar.

Sinais de que o seu ciúmes se tornou doentio

Se você chegou até aqui, provavelmente reconhece que é um cara ciumento e está procurando uma solução para isso. Porém, como identificar qual o nível do seu ciúme?

Seria ciúmes leves, controlados, ou já passou para o patamar doentio e perigoso? Descubra os sintomas do ciúmes doentio e possessivo!

#1 – Você considera sua parceira sua única razão de viver. Alerta vermelho para a frase “prefiro morrer do que viver sem você”;

#2 – Você liga para sua parceira várias vezes ao dia, sem motivos ou por motivos bobos inventados na hora. Você precisa monitorá-la sempre que possível;

#3 – Você sente necessidade de controlar tudo e saber de tudo. Quer sempre dominar o que sua parceira faz ou escolhe, além de querer estar sempre presente em tudo, não deixando espaço para a vida pessoal dela;

#4 – Você vai em todos os eventos acompanhado dela. Se você não for, ela não vai. Caso contrário, nenhum dos dois vão;

#5 – Você frequentemente usa o pronome “minha/meu” para se referir a sua parceira, além de atribuir à ela o valor de sua propriedade;

#6 – Você planeja estratégias de monitoramento muito antes das coisas realmente acontecerem. Sabe aquele encontro com os amigos da faculdade que sua namorada vai comparecer? Você já está pensando um jeito de evitar que ela vá;

#7 –  Você está frequentemente ansioso, inseguro, sentindo uma inquietação que você desconhece os motivos e precisa sempre estar em “movimento”, com foco num evento futuro;

#8 – Você faz escândalos e discute com sua parceira na frente de outras pessoas;

#9 – Você tem a senha de e-mail e redes sociais da sua parceira e checa com frequência;

#10 – Você varia seu comportamento entre sociável e antissocial de acordo com a necessidade do momento. Se quer passar uma boa impressão na sua parceira, torna-se sociável. Se quer fazer com que ela se sinta desconfortável para ir embora, assume o papel antissocial;

#11 – Você frequentemente faz com que sua parceira sinta-se culpada por desempenhar atitudes triviais do dia a dia, sempre inventando motivos para que suas atitudes sejam erradas;

#12 – Você quer sempre tomar parte em qualquer decisão que sua parceira precise tomar. E você não aceita se ela optar fazer algo que você não aprova;

#13 – Você justifica sua possessividade dizendo que é amor e cuidado;

#14 – Você é extremamente curioso em relação a tudo que acontece na vida da sua parceira, e não por interesse genuíno, mas para controlar;

#15 – Você exige que sua parceira dê satisfações a você e te peça permissão para fazer as coisas;

#16 – Você inferioriza as escolhas da sua parceira, de forma a parecer que a única coisa boa da vida dela é você;

#17 – Você já teve ou já chegou muito perto de ter um comportamento violento no meio de uma discussão.

Se três ou mais afirmativas acima são positivas e condizem com o seu comportamento, o melhor a se fazer é procurar ajuda. Existem tratamentos psicológicos que podem ser eficazes para pessoas que têm ciúmes possessivos.

Ao mesmo tempo que tenta resolver essa questão, procure fazer bem para você mesmo. Quando dominadas pelo ciúme doentio, as pessoas tendem a se esquecer, se deixar de lado, se tornando um estranho no próprio corpo. Retome as rédeas da sua vida, reconstrua sua autoestima e faça bem para você mesmo.

Quando uma relação chega ao ponto de passar por situações semelhantes às descritas acima, a situação é grave e ambos os lados saem prejudicados e com sequelas. A sua parceira pode ter grandes dificuldades para confiar em alguém futuramente. Você, idem. Além de enfrentar o fantasma do comportamento agressivo e violento, que você tanto quer evitar.

Por isso, se sentir que está passando dos seus limites e fugindo do seu controle, não deixe de procurar ajuda. Estar ao lado de uma pessoa em um relacionamento estável é para trazer felicidade, companheirismo e amor para os dois. Caso esteja causando dor e traumas, o ideal é procurar ajuda.

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Desconfiança no relacionamento: como evitar e como resolverMoacir Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Moacir
Visitante
Moacir

Considero meu ciúme moderado fiz uma análise do meu comportamento com relação ao artigo não vi nada que comprometesse meu relacionamento.

trackback

[…] escrevemos um post super bacana sobre reconhecer o seu grau de ciúmes e saber como amenizá-lo. Lá, dissemos que uma dose […]